#4 Não à selfiealização

#4 Não à selfiealização

06/Nov/2017

Certa vez, na faculdade, eu ouvi de um professor uma coisa que me deixou intrigado: ele disse que as pessoas não se desligavam nunca, ou seja, sempre estavam ocupando a mente.

Até mesmo na hora de deitar, rolava uma música no fone de ouvido.


(Alguém aí se identificou? Levanta a mão).

Cientificamente, segundo ele, isso indicava que tínhamos medo de enfrentar nossos problemas, nossos pensamentos. Daí, a necessidade da ocupação ininterrupta da mente.

Isso faz sentido.

Porque a gente tá sempre ocupado.

Tem que levantar.

Tem que trabalhar.

Tem que pegar o metrô.

Tem que pagar as [muitas] contas.

E tem que aproveitar a vida com o que sobra.

Teoricamente, pelo menos.

Digo isso porque, na hora da diversão, na hora de aproveitar as coisas, não é raro a gente ver gente correndo atrás da selfie perfeita. E são tantas as tentativas que, quando você percebe, não aproveitou nada (ou quase nada) daquilo que te fez sair de casa.

Quer ver?

No show daquela banda de rock que vem uma vez a cada 10 anos, o que a maioria faz? Levanta a telinha para o alto e filma.

Filma muito. Filma o show todo [se a bateria aguentar, né?].

Não teria sido melhor curtir a vibe? Gritar até ficar rouco?

No fim das contas, e da noite, o que você ganha é um ombro doído e um vídeo ruim.

Naquele feriadão, planejado com três meses de antecedência e vários áudios no WhatsApp (quem nunca?), quantas fotinhos são tiradas antes de todo mundo sentir que saiu bem na foto? Todas do mundo, não é mesmo?

Água de coco que é bom... nothing.

E o que dizer daquela banana flambada com sorvete que você fez questão de fotografar por todos os ângulos? Será que ainda tinha sorvete depois que a foto foi postada no Instagram?

Acho que não.

Selfiealização? O que é isso?

Eu chamo esse fenômeno de registrar tudo o que estamos fazendo de selfialização. A necessidade de se mostrar [e de mostrar] cada passo que a gente dá nos custa bons momentos. Já pararam pra pensar?


Viva o momento, não a selfiealização dele.

E não se preocupe tanto: no próximo show da sua banda, tire só aquela fotinho de lei e pule bastante, porque lá no meio da multidão tem um fotógrafo que não tá curtindo, mas tá fazendo as melhores fotos do momento que você está aproveitando.

Afinal, vida é só uma, e a gente tem que aproveitar.

E não há selfie no mundo que vá mudar isso.

Eu espero.

Tags: Fone de ouvido; Mente; Vídeo; Selfiealização; Selfie.